ALERTA DE EMISSÕES RADIOATIVAS NO JAPÃO

0
513

ALÔ PESSOAL!
Voltando de uma semana de descanso, vejo essas imagens …
Difícil acreditar que o país mais preparado em termos de catástrofes, tenha sucumbido diante de um terremoto seguido de um tsunami, sem precedentes.
Um país que, sob os efeitos da descarga nuclear ocorrida na 2 Grande Guerra, soube fazer o caminho da prosperidade, invejada e copiada mundo afora.
Agora, mais do que nunca, serão necessários esforços reunidos ao longo da comunidade científica , para tentar barrar os efeitos radioativos das explosões ocorridas nas usinas nucleares.
O que houve?
Com o terremoto e posterior tsunami, a usina nuclear de Fukushima foi seriamente avariada.O elemento radioativo utilizado é o césio. Os reatores tem que ser, constantemente, resfriados, devido à alta temperatura causada pela energia nuclear . Isso controla o sistema. Mas com o corte de fornecimento de energia, a água deixou de ser bombeada, o que provocou o superaquecimento do reator e o provável vazamento de material radioativo.
É bom lembrar que um elemento radioativo não para de emitir radiações , e são elas o grande perigo.

Um terceiro reator da usina nuclear de Fukushima, no Japão, sofreu hoje, 14, uma pane no sistema de resfriamento, depois que problemas semelhantes causaram explosões em outros dois reatores. A Tokyo Electric Power informou que os técnicos estão adotando medidas como injetar água do mar no reator número 2 da usina para evitar o superaquecimento da instalação.Mais cedo, uma segunda explosão atingiu o reator número 3 de Fukushima, dois dias depois de um incidente semelhante envolvendo o reator número 1. Segundo a agência de segurança nuclear do Japão, a explosão foi causada por um acúmulo de hidrogênio. O incidente deixou onze feridos, um deles em estado grave.Autoridades afirmaram, entretanto, que o reator número 3 resistiu ao impacto. O núcleo da estrutura permaneceu intacto e os níveis de radiação, abaixo dos limites considerados legalmente perigosos. Ainda assim, dezenas de milhares de pessoas foram evacuadas das proximidades da instalação e 22 estão sob tratamento por exposição à radiação.O governo informou que o sistema de bombeamento de água do mar para os reatores permanece em operação apesar da última explosão. No fim de semana, técnicos trabalharam para resfriar os três reatores da usina Fukushima que tiveram problemas no sistema de resfriamento após o terremoto e o tsunami registrados na última sexta-feira, 11.O porta-voz do governo japonês, Yukio Edano, afirmou que há baixa possibilidade de contaminação por radiação por causa da última explosão. Especialistas creem que é improvável uma repetição do desastre nuclear das proporções de Chernobyl, em 1986, porque os reatores atuais são construídos com padrões mais elevados e sob medidas de segurança mais rigorosas.
fonte: Agência Brasil

De acordo com o porta-voz do governo japonês, Yukio Edano, o prédio de concreto onde está o reator número 1 da usina desabou, mas o contêiner de metal, onde está o reator, não foi danificado. Os índices de radiação em volta da usina, que estavam elevados, caíram após a explosão. O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, declarou estado de emergência nas usinas Fukushima 1 e 2, enquanto os engenheiros tentam confirmar se houve derretimento em um dos reatores de uma das usinas.
Um terceiro reator da usina (de número 2) apresentou problemas de refrigeração mais cedo, depois de duas explosões que ocorreram por causa do acúmulo de hidrogênio. A Tepco informou que foi detectada uma queda do nível de água desse reator, embora tenha relatado que não deixou descobertas suas barras de combustível. Por causa disso, água do mar está sendo injetada diretamente no reator, para controlar a temperatura.(http://www.portaldepaulinia.com.br)
E fica a questão: quando realmente saberemos o que se passou?
A radiação será dissipada para o Pacífico, ou vai se encaminhar para o lado Europeu?
XQUIMICA NO AGUARDO DE NOTÍCIAS!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here