BENZENO NO REFRIGERANTE?

0
197

ALÔ PESSOAL!!
Saiu, ontem dia 29/10, no “Estado de São Paulo” uma alerta sobre a redução de benzeno nos refrigerantes.
Segundo a matéria, as fabricantes Ambev, Coca-Cola e Schincariol assinaram um termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público Federal para reduzir o teor de benzeno- substancia considerada cancerígena- em rifrigerantes cítricos. O inquérito foi aberto em 2009, após análise da Proteste Associação de Consumidores constatar que os refrigerantes Fanta Laranja, Fanta Laranja light, Sukita, Sukita Zero, Sprite Zero, Dolly Guaraná e Dolly Guaraná diet tinham traços de benzeno.
Mas voce já pensou qual a composição do refrigerante que voce toma?

Composição do refrigerante
Os ingredientes que compõem a formulação do refrigerante têm finalidades específicas e devem se enquadrar nos padrões estabelecidos.
São eles:
Água: Constitui cerca de 88%m/m do produto final. Ela precisa preencher certos requisitos
para ser empregada na manufatura de refrigerante (Palha,
2005):
– Baixa alcalinidade: Carbonatos e bicarbonatos interagem com ácidos orgânicos, como ascórbico e cítrico, presentes na formulação, alterando o sabor do refrigerante, pois reduzem sua acidez e provocam perda de aroma;
Sulfatos e cloretos: Auxiliam na definição do sabor, porém o excesso é prejudicial, pois o gosto ficará demasiado acentuado;
Cloro e fenóis: O cloro dá um sabor característico de remédio e provoca reações de oxidação e despigmentação, alterando a cor original do refrigerante. Os fenóis transferem seu sabor típico, principalmente quando combinado com o cloro (clorofenóis);
Metais: Ferro, cobre e manganês aceleram reações de oxidação, degradando o refrigerante;
– Padrões microbiológicos:
É necessário um plano de higienização e controle criterioso na unidade industrial, que garantam à água todas as características desejadas: límpida, inodora e livre de microorganismos.
Açúcar: É o segundo ingrediente em quantidade (cerca de 11% m/m).
Ele confere o sabor adocicado, “encorpa” o produto, juntamente com o acidulante, fixa e realça o paladar e fornece energia. A sacarose (dissacarídeo de fórmula C12H22O11 – glicose +frutose) é o açúcar comumente usado (açúcar cristal).
Concentrados: Conferem o sabor característico à bebida. São compostos por extratos, óleos essenciais edestilados de frutas e vegetais (Palha,2005). Sabor é a experiência mista de sensações olfativas, gustativas e táteis percebidas durante a degustação (Goretti, 2005).
Acidulante: Regula a doçura do açúcar, realça o paladar e baixa o pH da bebida, inibindo a proliferação de microorganismos. Todos os refrigerantes possuem pH ácido (2,7 a 3,5
de acordo com a bebida). Na escolhado acidulante o fator mais importante é a capacidade de realçar o sabor em questão (Palha, 2005).
O ácido cítrico (INS1 330) é obtido a partir do microorganismo Aspergillus niger, que transforma diretamente a glicose em ácido cítrico. Os refrigerantes de limão já o contêm na sua composição normal.
O ácido fosfórico (INS 338) apresenta a maior acidez dentre todos aqueles utilizados em bebidas. É utilizado principalmente nos refrigerantes do tipo cola.
O ácido tartárico (INS 334) é usado nos refrigerantes de sabor uva por ser um dos seus componentes naturais.
Antioxidante: Previne a influência negativa do oxigênio na bebida. Aldeídos, ésteres e outros componentes do sabor são susceptíveis a oxidações pelo oxigênio do ar durante a estocagem. Luz
solar e calor aceleram as oxidações.
Por isso, os refrigerantes nunca devem ser expostos ao sol. Os ácidos ascórbico e isoascórbico(INS300) são muito usados para essa finalidade. Quando o primeiro é utilizado não é com o objetivo de conferir vitamina C ao refrigerante, e sim servir unicamente como antioxidante.
Conservante: Os refrigerantes estão sujeitos à deterioração causada por leveduras, mofos e bactérias (microorganismos acidófilos ou ácido-tolerantes), provocando turvações e alterações no sabor e odor.
O conservante visa inibir o desenvolvimento desses microorganismos (Palha, 2005).
O ácido benzoico (INS 211) atua praticamente contra todas as espéciesde microorganismos. Sua ação máxima é em pH = 3. É barato e bem tolerado pelo organismo. Como esse ácido é pouco solúvel em água, é utilizado na forma de benzoato de sódio. O teor máximo permitido no Brasil é de 500 mg/100mL de refrigerante (expresso em ácido benzoico).
O ácido sórbico (INS 202) ocorre no fruto da Tramazeira (Sorbus aucuparia). É usado como sorbato de potássio e atua mais especificamente sobre bolores e leveduras. Sua ação máxima é em pH = 6. O teor máximo permitido é 30 mg/100mL (expresso em ácido sórbico livre).
Edulcorante: É uma substância que confere sabor doce às bebidas em lugar da sacarose. As
bebidas de baixa caloria (diet) seguem os padrões de identidade e qualidade das bebidas correspondentes, com exceção do teor calórico.
Dióxido de carbono: A carbonatação dá “vida” ao produto, realça o paladar e a aparência da bebida. Sua ação refrescante está associada à solubilidade dos gases em líquidos, que
diminui com o aumento da temperatura.
Como o refrigerante é tomado gelado, sua temperatura aumenta do trajeto que vai da boca ao estômago.
O aumento da temperatura e o meio ácido estomacal favorecem a eliminação do CO2, e a sensação de frescor resulta da expansão desse gás, que é um processo endotérmico Palha, 2005).
carbono.
fonte:http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc31_3/10-PEQ-0608.pdf
PRESTE ATENÇÃO NOS RÓTULOS DOS REFRIGERANTES….

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here