VAZAMENTO É COMUM NA NIGÉRIA

2
37

ALÔ PESSOAL!
Essa imagem é do Rio Bodo, na Nigéria.
Isso é vazamento de petróleo. Tão comum que não há mais alardes!
Vejam a incoerência: enquanto os EUA gritam ( e com razão!), um país abaixo da linha de pobreza, como a Nigéria, tem um desastre desses por ANO!
Leia a reportagem do “último segundo- ig”:( 17/06/2010 )
Grandes vazamentos de petróleo deixaram de ser notícia em Bodo, na Nigéria. O Delta do Níger, onde a riqueza subterrânea contrasta com a pobreza existente na superfície, tem sofrido o equivalente ao vazamento do Exxon Valdez a cada ano nos últimos 50 anos, segundo algumas estimativas. O petróleo vaza quase todas as semanas e alguns pântanos já não têm vida há muito tempo.
Talvez nenhum outro lugar na Terra tenha sido tão maltratado pelo petróleo, dizem os especialistas, o que deixa os moradores de Bodo espantados com a atenção ininterrupta dada ao vazamento a meio mundo de distância, no Golfo do México. Foi apenas há algumas semanas, eles dizem, que um cano da Royal Dutch Shell que estourou nos manguezais foi finalmente fechado, após dois meses de vazamento contínuo: agora nenhum ser vivo se move numa área tomada pelo petróleo e que antes era repleta de camarões e caranguejos.
Não muito longe dali, ainda há petróleo cru no Riacho Gio de um vazamento que aconteceu em abril. Do outro lado da fronteira do Estado, em Akwa Ibom, os pescadores amaldiçoam suas redes enegrecidas pelo petróleo, inúteis em um mar estéril por causa de um vazamento de um oleoduto marítimo da Exxon Mobil em maio, que durou semanas.
O petróleo vaza de tubulações enferrujadas e envelhecidas, não controladas pelo que os especialistas dizem ser uma regulamentação ineficaz ou corrupta, e é auxiliado por uma manutenção deficiente e por sabotagens constantes. Diante desta maré negra existem raros protestos – soldados que guardavam uma sede da Exxon Mobil bateram em mulheres que protestavam na frente do prédio no mês passado, segundo testemunhas -, mas principalmente uma aceitação ressentida.
Aqui, as crianças pequenas nadam no estuário poluído, os pescadores levam seus esquifes cada vez mais longe – “Não há nada que possamos pescar aqui”, disse Pio Doron, em seu barco – e as mulheres do mercado andam com dificuldade por riachos cheios de petróleo.

2 COMENTÁRIOS

  1. Lígia, não sei se você fala inglês, mas vi esse site e fiquei em duvida. Será que realmente é verdade tudo que esta escrito lá?

    BP Oil Spill Creates 800% More Methane Than Ever Seen. Creates Deadzones.

    Resumo bem tosco: O derramamento de óleo no golfo do méxico espalhou cerca de 800% a mais de metano do que os outros derramamentos de petróleo. O óleo que sai do fundo do mar contem cerca de 40% de metano, comparado a 5% dos outros depósitos.

    O representante da BP (empresa responsável pela catástrofe) disse: "The gas that escapes, what we don't flare, goes up to the surface and is gone," (O gás liberado, que não queimamos, sai para a superfície do mar e se dispersa).

    Além do dano que causaria na camada de ozônio, praticamente dobrando risco de câncer de pele, existem outros tipos de complicações, como por exemplo a morte das Lulas-gigantes por não terem oxigênio.

    Essas lulas servem de alimento para um dos maiores animais do mundo, os Cachalotes, esses, irão morrer de fome ou ficarão doentes por se alimentarem dessas lulas.

    Quando esses cachalotes mortos chegam perto das praias (Texas, Nova Orleans, Florida, e outras), tornam-se alimento para as aves migratórias.

    Essas aves por consequência morrem nas cidades, e contaminam outros animais, principalmente os domésticos, e assim transmitem doenças para os homens (é isso que tava no texto).

    "Far-fetched? How do you think swine, bird, and horse flu happened?" (longe demais? Como acha que surgiram as gripes aviaras, suínas e equinas?

    Devido a essas súbitas transformações no meio ambiente, vírus, fungos e bactérias estão sofrendo mutações em uma incrível velocidade, deixando nosso sistema imunológico muito atrás.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here