CENA DO CRIME- DETECTANDO AS DIGITAIS

0
30

ALÔ GALERA!!!!

Veja a cena abaixo:

digitais iluminadas através de diferentes processos

Esse estudo chama-se DATILOSCOPIA .

Fingerprint_detail

https://blitzdigital.com.br/tec-menu/meio-de-prova-impressoes-digitais/

Impressão digital (tecnicamente datilograma ou dermatóglifo) é o desenho formado pelas papilas (elevações da pele), presentes nas polpas dos dedos das mãos, deixado em uma superfície lisa. As impressões digitais são únicas em cada indivíduo, sendo distintas inclusive entre gêmeos univitelinos. Tal característica, chamada unicidade, as faz serem utilizadas como forma de identificação de pessoas há séculos.

As papilas são formadas durante a gestação e acompanham a pessoa até a morte, sem apresentar mudanças significativas. Esta propriedade é conhecida como imutabilidade. A impressão digital apresenta pontos característicos e formações que permitem a um perito ou um papiloscopista identificar uma pessoa de forma bastante confiável. Tal comparação é também feita por sistemas computadorizados, os chamados sistemas AFIS (Automated Fingerprint Identification System, Sistema de Identificação Automatizada de Impressão Digital).

Algumas pessoas, contudo, apresentam as pontas dos dedos lisas, o que caracteriza a chamada Síndrome de Nagali; nestes casos, a identificação é feita pela íris ou outra forma de identificação biométrica adequada.

A base da técnica tradicional do fingerprinting é simples. A pele na superfície palmar das mãos e dos pés forma os cumes, as chamadas cristas papilares, em padrões que são únicas para cada indivíduo e que não mudam ao longo do tempo. Mesmo gêmeos idênticos (que partilham o seu DNA) não têm impressões digitais idênticas. A melhor maneira de tornar as impressões digitais latentes visíveis, de modo que possam ser fotografadas, pode ser complexo e pode depender, por exemplo, do tipo de superfície sobre a qual tenham sido deixados. Em geral, é necessário utilizar um reagente em pó ou químico, para produzir um elevado grau de contraste visual entre os padrões de cristas e a superfície sobre a qual a impressão digital foi depositada.

impressão por pó

Detecção de impressões digitais por meio de pó é o método mais usado no Brasil.

As impressões em locais de crimes podem ser encontradas de três formas básicas:

Moldadas: quando as impressões são encontradas em materiais que permitem a modelagem em baixo relevo (massa de fixar vidro por exemplo), tendo o perito que fotografá-la aplicando à mesma uma luz oblíqua para produzir sombra nos sulcos do molde, revelando assim o desenho formado pelas cristas papilares e ou poderá moldar tal impressão com material apropriado como silicone ou gesso, por exemplo.

Visíveis ou entintadas : quando as impressões são deixadas visíveis no local por ter o agente manuseado substâncias como tinta, sangue, graxa, sujeira etc. sendo fácil sua localização tendo no entanto o perito que fotografá-las para o estudo que se fizer necessário.

Latentes: São as impressões mais comuns por serem produzidas por substâncias segregadas pelo próprio corpo do agente como suor e gorduras.

A reprodução do desenho papilar no local de crime por meio da impressão latente, nem sempre é perfeita. Muitas vezes são fragmentos papilares deixados ocasionalmente sobre qualquer suporte pelo toque dos dedos, mãos e pés descalços que provam a presença da pessoa no local. Ela é produzida por gotas de suor e ou gordura, que são expelidas pelos poros sendo facilmente localizada por foco de luz oblíqua projetado sobre ela.

Sabe-se que uma impressão latente, estando resguardada de sujeira, sol, chuva e qualquer outra coisa que possa danificá-la, poderá permanecer por longo tempo fixada no suporte e o seu aproveitamento poderá ser feito através de reações químicas sobre a mancha, fazendo aparecer a imagem oculta. Por isso, é necessário preservar o local de crime, para se resgatar as impressões papilares que por muitas vezes podem identificar o autor.

Agentes reveladores

Para revelar impressões latentes, é necessário o emprego de agentes químicos e técnicas especiais para manuseá-los.

Negro de Fumo : é um termo genérico usado para identificar uma ampla variedade de materiais carbonáceos finamente divididos. É um dos materiais mais utilizados na revelação de impressões latentes encontradas em suportes de fundo claro, sendo aplicado por pulverização ou por meio de um pincel. Suas micro partículas aderem na mancha deixada pelas cristas papilares banhadas de suor e ou óleo revelando o desenho das papilas dérmicas.

Carbonato de chumbo: é um pó branco extremamente fino. É um dos materiais mais utilizados na revelação de impressões latentes encontradas em suportes de fundo escuro e transparentes, sendo aplicado por pulverização ou por meio de um pincel. Suas micro partículas aderem na mancha deixada pelas cristas papilares banhadas de suor e ou óleo revelando o desenho das papilas dérmicas.

Nitrato de prata : material altamente corrosivo. Causa queimaduras a qualquer área de contato. Pode ser fatal se engolido. Danoso se for inalado. É utilizado na revelação de impressões latentes deixadas em papel. Em contato com o cloreto de sódio (suor), produz cloreto de prata e nitrato de sódio, sendo que o cloreto de prata é indissolúvel permitindo assim que após a lavagem do papel, todo o material seja removido, exceto o desenho deixado pela mancha de suor, sendo este revelado com a exposição à luz, revelando assim o desenho deixado pelas cristas papilares.

Vapor de iodo: material altamente corrosivo. Causa queimaduras a qualquer área de contato. Pode ser fatal se engolido. Danoso se for inalado. É utilizado na revelação de impressões latentes deixadas em papel. O vapor de iodo reage com os ácidos graxos deixados no contato das cristas papilares com o papel revelando assim o desenho papilar.

Vapor de super-cola : um dos mais recentes métodos de detecção de impressões digitais é o vapor de cola (ou vapor de cianocrilato – Super Bonder). O material é exposta ao vapor de cianocrilato por alguns minutos. A digital aparece em leves contornos brancos visíveis a olho nu.

O grafite, o talco, a poeira e outros tantos pós extremamente finos, mais uma série de substâncias, podem ser utilizados para revelar impressões latentes, dependendo porém, da capacidade e conhecimento do perito na arte.
Depois vem o reconhecimento, que é feito através de um imenso cadastro que vai comparando as digitais encontradas com aquelas que estão cadastradas.

Mas não é tao simples assim…

Tem uma grande variedade na formação das digitais e a a passagem dos anos conforme abaixo:


Impressões digitais de um mesmo dedo, com 25 anos de intervalo entre as coletas, apresentando seus pontos característicos na mesma ordem e posições, indicados por setas e numerados para identifica-los. ( http://www.papiloscopia.com.br )

E aí, pronto para achar o criminoso?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here