OS 10 PIORES ALIMENTOS PARA VOCE!

0
517

OLÁ PESSOAL!!!!!
Como estão?
Outono chegou e as temperaturas estão baixando….o que significa comer mais para armazenar energia.
Mas o que importa é a qualidade desse aumento calórico.
Vamos ver o que te faz mal????
Reportagem da SUPER:
OS DEZ TIPOS DE ALIMENTOS MAIS PREJUDICIAIS À SÁUDE!
 

Ana Carolina Prado 10 de maio de 2011

O que não mata, engorda, diziam nossas mães. Ou nós mesmos,
quando queremos comer o salgadinho que caiu no chão. O problema é que
algumas coisas não só engordam (e muito), como também podem matar aos
poucos.

Mas não precisa ficar desesperado. Isso que não quer dizer que não
podemos mais comer aquela porção de batata frita ou aquele docinho na
sobremesa.  “Nada é proibido, mas esses alimentos devem ser consumidos
com menor frequência. Uma medida razoável é incluir um deles no cardápio
uma vez por semana. Mas só um deles. Comer cachorro-quente com batata
frita, por exemplo, nunca”, explica Flavia Morais, coordenadora do
departamento de nutrição da rede de produtos naturais Mundo Verde. A
dica dela é olhar o rótulo do produto para checar seus ingredientes. E
fique atento: o primeiro item da lista de ingredientes, geralmente, é o
que está presente em maior quantidade na comida. Portanto, se açúcar ou
gordura estiverem no topo da lista na embalagem, talvez seja melhor
procurar uma opção mais saudável.

Com a ajuda de nutricionistas, listamos os 10 tipos de alimentos mais prejudiciais à saúde.  Cuidado com eles!

1- Refeições prontas congeladas


Você chega em casa morrendo de fome e está cansado demais para cozinhar
algo. Então, olha para o microondas, lembra-se da lasanha congelada que
tem no freezer e bendiz essa tecnologia linda que facilita a sua vida.
Mas é bom não se empolgar tanto. Esse tipo de alimento semi-pronto é
rico em gordura saturada, que faz subir os níveis do colesterol ruim e
aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares.  “Tais
refeições também são ricas em sódio que, em excesso, pode ocasionar
aumento da pressão arterial”, afirma a nutricionista Thais Souza.
Resolveu trocar pela pizza? Não adianta. O risco é, basicamente, o
mesmo.
2- Embutidos (salsicha, linguiça, mortadela, presunto, salame)
 
Ok, você não é adepto dos congelados, mas adora um lanchinho de
mortadela. Ou um cachorro-quente. Sentimos informar, mas você não está
em uma situação melhor, não.   “Esses alimentos à base de carne,
conhecidos como embutidos, foram inventados para facilitar as
preparações e aumentar o prazo de validade do alimento. O problema é que
eles possuem maior teor de gordura saturada em relação à carne
natural”, explica Thais Souza. Esse tipo de gordura, encontrado
principalmente em produtos de origem animal,  traz riscos à saúde quando
ingerido em excesso, pois estimula o aumento dos níveis de colesterol e
o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Os embutidos
também contêm excesso de sódio  – o que pode provocar pressão alta – e
corantes – que podem causar alergias e problemas no estômago. Por fim,
ainda há ali muitos conservantes, como o nitrito e o nitrato. No nosso
organismo, eles são convertidos em substâncias potencialmente
cancerígenas.

3- Caldos e temperos industrializados
 

Decidiu cozinhar? Bom para você. Mas vai aqui outra dica: faça seu
próprio tempero e esqueça os industrializados. Eles possuem altos teores
de sódio e glutamato monossódico. O sódio, se consumido além dos
limites diários recomendados, pode levar ao desenvolvimento da
hipertensão ou piorar o problema se ele já existe. O problema do
glutamato é ainda pior: estudos têm mostrado que o nosso organismo o
utiliza como um transmissor de impulsos nervosos no cérebro e seu
consumo tem sido associado com dificuldades de aprendizado, Mal de
Alzheimer, Parkinson e câncer.
4- Biscoito recheado
 

Essas pequenas tentações com recheio de chocolate, morango ou o que
for são inseparáveis de tardes ociosas na frente da televisão assistindo
a algum filme sobre uma galera do barulho aprontando altas confusões.
“Carregadas com açúcares, essas pequenas guloseimas possuem densidade
energética assustadora”, diz o nutricionista Rafael Moreira Claro,
Pesquisador do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da
USP. Além do excesso de açúcar, os biscoitos recheados ainda contêm
muita gordura saturada, o que favorece o aumento do LDL (o “colesterol
ruim”) e a diminuição do HDL, considerado o “colesterol bom”. O
desequilíbrio nas taxas de colesterol é fator de risco para o surgimento
de doenças cardiovasculares graves. E, para completar, os aditivos
usados para dar cor a essas bolachas também são prejudiciais à saúde e
estão associados à hiperatividade e déficit de atenção.
5- Salgadinhos
 
É isso mesmo. Outra delícia perigosa que adoramos consumir em
momentos de ócio. Os salgadinhos também são fontes de glutamato
monossódico, aquele  sal sódico que cria um sabor mais encorpado ao
produto. Mas você já viu lá no item 3 do que esse composto é capaz.

6- Refrigerantes
 
“Além de possuir muitas substâncias artificiais em sua composição, o
refrigerante contém valor nutricional quase nulo”, afirma Thais. As
variações cola, em especial, têm uma grande quantidade de fosfatos, que
em excesso provocam a liberação do cálcio e o consequente
enfraquecimento dos ossos, facilitando a incidência de doenças como a
osteoporose. “Além de ser rica em açúcar, a bebida tem a capacidade de
enganar os sistemas orgânicos relacionados ao controle das calorias
ingeridas, apresentando íntima relação com o ganho excessivo de peso e a
obesidade”, acrescenta Rafael Claro.

E, a menos que você seja diabético, não adianta tentar os diet – eles
são ainda piores! “Refrigerantes contêm muitas substâncias químicas,
mas pelo menos são feitos com açúcar, que é algo que o corpo reconhece e
pode digerir. Já os refrigerantes diet, além de todas essas
substâncias, ainda contêm aspartame como adoçante. Sua metabolização
gera metanol, substância tóxica para os neurônios que, em excesso,
provoca degeneração neural e está relacionada a doenças como mal de
Alzheimer”, explica Flavia Morais.

Carlos Gouvêa, presidente da Associação Brasileira da Indústria
Brasileira para Fins Especiais e Gongêneres, discorda. Para ele, o
resíduo de metanol que resulta da metabolização do aspartame não é o
suficiente para fazer mal à saúde. “Mesmo com a ingestão do aspartame na
dosagem máxima diária recomendada, estamos falando de uma dose 200
vezes inferior à considerada tóxica para o ser humano. Apenas 10% em
massa do aspartame (que já é usado em quantidade 200 vezes menor que o
açúcar) resulta em metanol no intestino delgado”, diz Gouvêa. E
completa: “Os adoçantes aprovados pela ANVISA para uso em bebidas no
Brasil tiveram sua segurança confirmada por órgãos internacionais de
referência no assunto e sua recomendação de uso não se limita a
diabéticos mas a qualquer um que queira controlar a quantidade de açúcar
ingerida.”.
7- Frituras

Mesmo que você use óleo vegetal de boa qualidade para fritar suas
batatas ou bife, comer alimentos fritos faz mal. A fritura faz com que
ocorram alterações químicas no óleo utilizado, deixando de ser uma fonte
de gordura insaturada (no caso dos óleos vegetais), fundamental para
nossa saúde, e dando lugar à gordura saturada, que em excesso pode
causar diversas doenças. Esse processo pode também promover a formação
da gordura trans, que está diretamente relacionada ao aumento de doenças
cardiovasculares e à piora do quadro de saúde de uma maneira geral.
Além disso, o calor extremo estraga a estrutura química da molécula de
gordura, produzindo uma substância potencialmente cancerígena chamada
acroleína.
8- Churrasco 


Ok, fritar é ruim. Mas tome cuidado quando decidir fazer um churrasco
também. Nesse caso, o problema está no processo de preparação, e não
com o alimento: segundo a nutricionista Thais, a fumaça do carvão libera
alcatrão e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos, substâncias com
alto potencial cancerígeno.
9- Margarina
 
De novo, o colesterol. A maior parte das margarinas é feita com óleos
vegetais líquidos hidrogenados – que são gordura trans. Essas gorduras
não são reconhecidas pelo organismo, que não o metaboliza. Isso provoca
acumulação de gordura na região abdominal e promove o aumento dos níveis
de colesterol ruim e do risco de desenvolvimento de doenças
cardiovasculares.
10- Açúcar
  
“O açúcar, em especial o refinado, é 100% caloria, sem valor
nutricional”, afirma a nutricionista Thais. Sim, ele torna a vida e os
alimentos mais doces e tudo mais. Mas, quando consumido em excesso, é
armazenado em nosso corpo sob a forma de triglicérides, aumentando o
risco do desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Além disso, por
ser calórico, pode levar à obesidade e, com ela, aumentar o risco de
diabetes, hipertensão e dislipidemias.

Segundo os nutricionistas, tanto a sacarose (açúcar de mesa) quanto
os açúcares de uso industrial estão relacionados à má qualidade da
saúde. Então, já viu: nada de adoçar demais o cafezinho.
 Ora, do que vamos viver nos nossos momentos de ócio total???????

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here