OS SERES QUE NOS HABITAM

0
323

ALÔ PESSOAL!!!!
Hoje á postagem é mais biológica que química, mas interessante sem dúvida!
A tradução, feita pelo XQUIMICA, de uma matéria que você encontra aqui, na integra:
http://cen.acs.org/articles/93/i38/Harnessing-Hordes-Microbiome.html

09338-cover-microbesw

Nós os seres humanos, nascemos sozinhos. Mas essa solidão é passageira. Mesmo quando saímos do útero, começamos a acumular as primeiras centenas de nossos companheiros- ao longo da vida uma rica população de micróbios que vivem dentro e sobre nós. No momento em que vamos ao jardim de infância, estamos em desvantagem: as células microbianas que levamos são em número  muito superiores a nós.

Mantemos uma simbiose com o nosso microbioma que ajuda a manter-nos saudáveis. Seu trabalho inclui quebrar alimentos, que de outra forma o organismo não digere, metabolizar nutrientes em vitaminas necessárias, ajudando a regular os níveis de glicose, e enviar sinais para o  sistema imunológico.

“Nós temos uma centena de trilhão de bactérias em nossos corpos e em que co-evoluíram com a gente desde o alvorecer da humanidade”, observa Peter DiLaura, diretor executivo da empresa de biotecnologia focada no microbioma “Segundo Genoma”.
Quando o equilíbrio nessa comunidade vibrante é interrompido conhecido como “disbiose” -a saúde de seu hospedeiro pode sofrer. Desde o lançamento do Projeto Microbioma Humano 2008, os Institutos Nacionais de Saúde fazem esforços para mapear o que vive em nós e onde. O campo do microbioma tem visto uma explosão de publicações e conexões entre nossas bactérias e nossa saúde .

Em muitos casos, os resultados são meramente correlações.
Os pesquisadores ainda precisam provar se um desequilíbrio na comunidade microbiana é uma causa ou contribuinte, ao invés das consequências, as doenças.

Mas a evidência que nossas bactérias nossos comensais diários podem desempenhar um papel na doença é atraente o suficiente para chamar pesquisadores e investidores para o desenvolvimento de terapias baseadas em no microbioma ou através dele.
 Os últimos cinco anos têm visto uma proliferação de empresas com múltiplas abordagens para alavancar a interação entre os nossos erros e nossos corpos.
Vários avanços tecnológicos e clínicos têm convergido para produzir a atual mania microbioma. O desenvolvimento mais crítico tem sido a capacidade de usar o seqüenciamento de genes para identificar rapidamente os micróbios acampados no corpo humano e, por vezes deduzir a sua função.
Os  avanços tecnológicos permitem que hoje se trace um genoma correspondente ao microbioma e baseado  nisso, uma população que está prejudicando o organismo, pode ser trocada por outra mais saudável.

Quando um paciente de hospital toma antibióticos de amplo espectro para combater uma infecção, uma cepa perniciosa chamada Clostridium difficile é capaz de escapar da morte através da formação de esporos de proteção. Após as outras bactérias terem sido eliminadas , C. difficile reaparece e domina o intestino , causando diarreia grave e dores abdominais .

Desesperado para tratar pessoas infectadas por este erro potencialmente mortal , um pequeno número de médicos nos últimos anos virou-se para um método que parece horrível : transplante de microbiota fecal , ou repovoar as bactérias no cólon de um paciente usando uma amostra de fezes de um voluntário saudável. Transplantes fecais foram apontados como responsáveis pela cura de  até 90 % dos doentes com C. difficile .
Não só isso, mas a resposta é durável . Para a maioria dos pacientes a infecção não voltar.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here